Advogado Bruno Fagali fala sobre a premiação Pró-Ética

Em entrevista, Bruno Fagali, membro da SCEE (Society of Corporate Compliance and Ethics) e associado do IBDEE (Instituto Brasileiro de Direito e Ética Empresarial), é abordado a respeito do prêmio Pró-Ética e discorre sobre tópicos referentes à premiação.

Motivos para participar do Pró-Ética

Segundo Bruno Fagali, além de ser a principal premiação do país voltada à área de compliance realizada por meio de uma importante parceria entre o Instituto Ethos e o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), todas as empresas participantes do Pró-Ética, independente da pontuação atingida, recebem da CGU um relatório com feedback detalhado sobre os seus Programas Integridade, contendo esclarecimentos das pontuações dos quesitos julgados e recomendações para melhoria de determinados itens.

As valiosas diretrizes e recomendações que o Pró-Ética proporciona para as empresas inscritas, bem como a reputação conferida diante do reconhecimento alcançado pelas mesmas, são ótimos motivos para participar desta premiação.

Desafios vencidos para alcançar a premiação

Para o advogado da Fagali Advocacia, diante do elevado nível de profundidade das informações fornecidas pelos participantes aos organizadores e da necessidade do pleno conhecimento e formalização de seus sistemas de compliance, o desenvolvimento dos documentos e das respostas inseridas no vasto questionário analisado pelos julgadores pode ser considerado como um desafio devido à complexidade exigida pelo Pró-Ética. Fagali reporta que conseguir expressar com objetividade e clareza algumas das perguntas específicas destinadas a área publicitária foi um grande desafio, tendo sido necessário esclarecer certas informações ao longo das inúmeras respostas.

Principais pontos que contribuíram para a conquista do prêmio

Ao ser questionado sobre os fatores que contribuíram para a agência alcançar a premiação, Bruno Fagali comenta os principais pontos, que, em sua opinião, mais fizeram a diferença na ótica dos julgadores.

A transparência encontrada nas informações fornecidas em documentos e questionários; um Programa de Integridade Corporativa dotado de características próprias e seus diferenciais; o forte comprometimento da Alta Direção da empresa, que permitiu, desde seu ingresso na agência, sua total autonomia em questões relacionadas ao Programa de Integridade Corporativa; e, o cuidado em oferecer aos funcionários treinamentos em linguagens acessíveis, buscando a máxima compreensão de todos da agência, sendo este um tópico que rendeu muitos elogios.

Conselhos aos participantes do Pró-Ética 2017 e expectativas futuras

“Meu principal conselho está na formalização e organização de todas as informações sobre o Programa de Integridade”, destaca o advogado Bruno Fagali. É fundamental que além de criar um setor de compliance também seja desenvolvido o hábito de realizar apontamentos diários. Os registros são uma forma de comprovar a veracidade das informações relatadas no questionário de inscrição do Pró-Ética, onde as respostas devem condizer com o que realmente acontece na empresa.

A procura por informações e cursos relacionados à compliance vem aumentado a cada dia no mundo empresarial. Bruno Fagali, da Fagali Advocacia, revela que uma de suas maiores expectativas é poder contemplar a melhoria na qualidade de programas e setores de compliance, vez que os administradores estão passando a enxergar esta ação como um investimento e não uma despesa.

August 24, 2017

Posted In: Recentes