Um acordo bilionário discutido entre bancos e investidores tende a um desfecho

Image result for acordo

A possibilidade de um acordo entre pessoas poupadoras e bancos, referente a déficits sofridos por bancos e investidores e que, devido ao atual cenário econômico e político do país em 1980 e 1990 afetaram diretamente correntistas de grandes bancos, poderá ser firmado no início de setembro de 2017.

Alguns representantes dos investidores e dos bancos, fizeram uma reunião no início do mês de setembro para discutir os pontos do acordo que será julgado pela ministra da Advocacia-Geral da União, a ministra Grace Mendonça. Um dos pontos que deverá ser bem conduzido nesta negociação, é em relação aos valores que deverão ser pagos a correntistas diretamente pelos bancos (também com responsabilidade do atual governo).

Esses valores são recorrentes a ações individuais e coletivas e que estão em processo na Justiça a anos, devido ao congelamento de bens e valores não incorretos nos planos Bresser e nos planos Collor. De 1987 a 1991, muitos poupadores foram lesados devido a manobras realizadas por esses governos. As ações que já correm na Justiça por 30 anos, estão perto de terem um desfecho definitivo. Algumas ações individuais já foram concluídas e os valores já foram corrigidos, mas muitos correntistas da Caixa ainda dependem de uma definição da Justiça.

Também estão aguardando correntistas de outros bancos, como o Itaú, Safra, Bradesco e Santander. Existe já uma estimativa calculada que atinge a casa de R$ 16 bilhões e que é inferior a perspectivas anteriores de R$ 50 bilhões.

O fato é que, embora isso se arraste ou não por mais tempo, o repasse correto desses valores tendem a sofrerem mais com correções incorretas. Se levarmos em conta que o governo participa diretamente com esses bancos dessa dívida ativa e da responsabilidade de arcar com esses pagamentos, a decisão enfrentará as atuais condições que ele tem de pagar esta dívida a curto, médio e longo prazo.

O prazo para uma conclusão deste acordo é de seis meses e os representantes dos correntistas exigem que este tempo seja maior. Existem vários processos individuais correndo na justiça e isso implica que todos devem ser levados em conta. Todos esses clientes lesados devem ter direito a um ressarcimento.

 

September 23, 2017

Posted In: Recentes