Médicos são presos por cobrar por partos no SUS

Na Fronteira do Oeste do Rio Grande do Sul, dois médicos foram presos em ação da Policia Federal. De acordo com as alegações, os médicos estavam cobrando de pacientes do Sistema Único de Saúde para realizar partos em hospitais públicos.

No dia 6 de março, segunda-feira, a polícia federal declarou que estava realizando uma operação contra médicos de hospitais públicos que cobravam indevidamente por serviços que deveriam ser realizados de forma gratuita no SUS.

A policia afirmou que o esquema acontece a mais ou menos 13 anos. Os médicos já faturaram mais de 1 milhão e meio de reais.

As prisões foram efetuadas na cidade de Itaqui, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. Reportagem foi realizada pelo Jornal Hoje da emissora Globo.

As pacientes do Hospital São Patrício alegaram que tiveram que pagar médicos, obstetras e anestesistas para realizar procedimento de cesariana. Em 2014 o caso só foi descoberto porque um médico que fazia residência no hospital informou a policia federal do estado.

A polícia enviou uma suposta paciente para o hospital com uma escuta para gravar uma consulta com um dos médicos suspeitos. Na gravação, o medico informa a paciente que se ela quiser realizar uma cessaria com ligamento, teria que pagar R$ 1,800 reais.

Apesar das internações serem feitas pelo Sistema Único, os dois médicos cobravam de R$ 400 a R$ 1,800 reais. O Hospital ofereceu como prova, documentação que comprova que todas as pacientes que pagaram pelas operações foram internadas através do SUS.

Uma das pacientes afirmou que quem não conseguia pagar pelo procedimento tinha que aguardar pelo parto normal. O medico residente que realizou a denuncia também disse que algumas pacientes ficavam em trabalho de parto durante horas, algumas dias, pois os médicos se negavam a realizar o procedimento sem receber o pagamento por fora.

Os pacientes tinham que pagar por qualquer procedimento realizado pelos médicos, injeções, cauterizações e aplicações.

A policia afirmou que os dois médicos foram presos na madrugada de segunda-feira, e que já foram levados para a Penitenciaria Modulada de Uruguaiana.

Os dois médicos vão responder por corrupção, estelionato e realização de cirurgia ilegal. Alguns funcionários que trabalhavam junto com os médicos foram indiciados e responderão as acusações em liberdade.

A delegada responsável pelo caso pede que se outras pessoas foram vítimas desses médicos ou passaram por situações parecidas em qualquer instituição que realize internações ou procedimentos pelo Sistema Único devem procurar a polícia.

 

 

April 3, 2017

Posted In: Recentes