Com Cassio Audi na bateria, o início da Banda Viper foi incrível

Os anos 80 foram realmente incríveis para as várias vertentes do rock nacional. E nas páginas destas histórias, estão linhas que glorificam o início da história da Banda Viper – que emplacou inúmeros sucessos em seus 30 anos de história, contando com grandes músicos, como o ex-baterista da banda, Cassio Audi.

A história da banda foi iniciada em 1985, com demos intituladas Projeto SP Metal e The Killera Sword. Em sua formação original, a banda contava com André Matos (vocais), Pit Passarell (baixo), Yves Passarem (guitarra), Felipe Machado (guitarra) e Cassio Audi (bateria).

Junto com os demais integrantes, o baterista Cassio Audi emplacou o grande sucesso da banda com o lançamento do álbum “Soldiers of Sunrise”, considerado até hoje um dos melhores discos de heavy metal brasileiro.

Logo após o estrondoso sucesso, a Viper lançou o álbum Theatre of Fate, em 1987, com participação de um novo integrante, o tecladista Junior Andrade que trouxe um som mais melódico para a banda, reforçando ainda mais o peso nos vocais de André Matos, considerado um dos melhores do Brasil.

Entre idas e vindas, o período de shows desse álbum contou com vários músicos bateristas, além de Cassio Audi. Contudo, a principal mudança foi realizada com a troca dos vocalistas. Por divergências de preferências musicais, André Matos sai da banda, passando o bastão para Pit Passarel que, como os outros músicos, gostaria de abandonar o som mais melódico e retornar ao heavy metal.

Após esta mudança, a banda lança seu novo álbum com som mais pesado, o “Evolution”, ainda com influências de ex-integrantes, como Cassio Audi, trazendo um som mais pesado e sendo considerado por muitos fãs, um dos melhores discos da banda, que já alcançava sua maturidade.

Lançado na Europa e Japão, o “Evolution” chamou a atenção dos orientais e garantiu uma turnê em terras japonesas, levando a Viper a gravar um novo álbum ao vivo, o “Maniacs in Japan”.

Os shows para os japoneses refletiram perfeitamente no próximo álbum lançado, o “Coma Rage”, que, além do tradicional heavy metal, trazia ainda influências do hardcore e do álbum anterior, sendo muito recebido pelos fãs de todo o mundo.

Com a ideia de se aproximar mais do público brasileiro, a Viper lançou um novo álbum, o “Tem Pra Todo Mundo”, com músicas em português e influências do Pop, que acabou não agradando os fãs e teve sua distribuição interrompida por falência da então gravadora da banda. Com a falência, a banda se viu obrigada a parar seus shows sem saber quando voltariam.

Entretanto, esse hiato acaba em 2005, quando a Viper regressa com Ricardo Bocci (vocal), Val Santos (guitarra) e Guilherme Martin (bateria), o que resultou no lançamento de um DVD intitulado “Living For The Night – 20 years of Viper”, com diversas imagens de shows e bastidores da banda.

Ainda em 2005 foram realizadas mudanças, como a saída do baterista Guilherme Martin que cedeu espaço para Renatto Graccia. Dos ex-integrantes da Viper, Yves Passarel foi para a Capital Inicial e André Matos passou pelas bandas Angra e Shaaman.

 

 

April 28, 2017

Posted In: Recentes